[Review] Kingdom – Herdeiro da alabarda

Mais um capítulo empolgante desde o título. O combo tem sido bem forte desde o 505. Parece que o Hara soltou o especial, mas eu suponho que seu efeito comece a desvanecer já no próximo capítulo.

Talvez eu simplesmente me empolgue mais com os capítulos de luta (ainda mais quando são muito aguardadas). Tivemos um longo período de espera até o início desta guerra. E enquanto aguardávamos, o hype rolou solto pra todos os lados. Entrada do Naki, dois arqueiros no nível dos dez arcos da China, 1000 novos recrutas com resistência e força física foras do comum, treinamento intenso, missões especiais para as três unidades independentes, Ousen como comandante supremo, Heki apaixonado pela Yotanwa, a alabarda… Dessa longa e incompleta lista, só dois itens foram razoavelmente apresentados: os Bow Brothers e a alabarda. Não considero a atuação do Kanto no último capítulo como a realização do hype em torno dele e da nova UHS.

Olha o tubarão do hype passando aí.

Embora os eventos tenham se sucedido rapidamente nos últimos capítulos (desde que o Ousen deu a ordem, só para lembrar), a expectativa não diminuiu. Pelo contrário. Como o Hara continuamente mostra, de várias maneiras, que tudo o que vimos até agora não é nada perto da batalha real, a ansiedade só aumenta. Mas o nível dos últimos capítulos é tão alto que não consigo imaginar algo além disso. Já tivemos um capítulo com som! A grande maestria desse mangaká está em sempre manter a expectativa e a empolgação lá em cima e nunca falhar na entrega de tudo que foi prometido. Então, mesmo que eu não consiga imaginar algo além do que já vem sendo entregue, sei que posso esperar por mais.

Toda essa falação foi justamente para entrar no capítulo 509, o capítulo da grande reviravolta. Eu fiz essa introdução para poder destacar melhor que, ao mesmo tempo em que o Hara nos apresenta um super Shin, ele nos mostra que o personagem está incompleto. O mais incrível disso tudo é que ele apresenta a incompletude do protagonista precisamente enquanto o mostra mais forte do que nunca. E digo mais forte do que nunca porque até os comandantes mais velhos da UHS (Suugen, Denei e Ryuusen) ficaram boquiabertos com o desempenho do capitão. Até a Kyoukai elogiou (e se molhou)! Do jeito dela, mas elogiou. E o Shin fez o impossível. O cara deu um giro de 360° em cima do cavalo! Cortou 8 soldados ou mais em apenas um golpe. Mas, mesmo com tudo isso, está claro que ele ainda precisa melhorar bastante.

A cintura do Shin é igual a de um boneco articulado.

A narração da página 2 sobre as heranças que o Shin recebeu foi muito bacana. Principalmente porque no último quadro dessa página ele aparece com o mesmo olhar do Ouki quando lutava. Um olhar de monstro irracional e assassino. Essa imagem pode facilmente ser interpretada como uma possessão. Nem que seja somente um momento de possessão. A partir de agora, nós podemos voltar a ver o Ouki no mangá, no campo de batalha. Toda vez que o Shin usar sua alabarda, veremos o Ouki lutando. E este Ouki não será derrotado pelo Riboku.

As outras duas partes desse capítulo triplo também frisam, cada qual a seu modo, que os eventos ocorridos até agora são balela perto do evento principal. Primeiro, a Ten. Novamente ela aparece fazendo a função de esclarecedora, mas dessa vez muito melhor encaixada. Bihei, o maior representante dos sujeitos comuns, queria festejar e a Ten precisou explicar por que isso não seria possível. Eu nem imaginava que entrariam na cidade, mas, vendo que resolveram entrar, também pensei que rolaria festinha. Seria a chance perfeita para o Heki, quem sabe? (Hoje é dia de lembrar do Heki, só pra esclarecer). Mas enfim… as explicações da Ten deixam claro como a tomada de Retsubi não era nada mais do que um pequeno, porém importante, passo dentro do plano maior de ataque a Gyou.

Choro toda vez que leio esse quadrinho

Por fim, tivemos o misterioso estratagema do Riboku. Mas deixemos isso para daqui a pouco, porque teve humor nesse capítulo. Como assim essa bosta dessa alabarda, Shin!? Eu chorei muito (de rir) com esse trecho e também com o fato de que a batalha virou praticamente uma apresentação do Shin. Os homens da sua unidade pararam e ficaram só assistindo e comentando. Parecia que não havia mais nada a ser feito. E o Shin, levando arranhões toda hora, ainda para pra se justificar com a plateia!

Kyoukai só de olho no maridão

Isso foi só pra que o Hara pudesse inserir comentários e incrementar as cenas com as reações e as explicações do expectadores ou isso foi uma demonstração da gritante vantagem de Qin sobre Zhao nesse cerco? No capítulo 508 parecia que a conquista do interior não seria uma tarefa muito fácil. No 509, porém, foi como um passeio ou, pra ser mais exato, como quando uma banda legal vai tocar em um local público e você precisa empurrar muita gente e atravessar o bate-cabeça para poder ficar perto do palco. Digamos que o Shin foi além e subiu no palco pra mandar um som, afinal, seu maior fã estava correndo só para vê-lo em ação. Eu também ri do Ouhon xingando o Shin de bufão.

Essa batalha foi muito rápida, mas já trouxe cenas nostálgicas. No 508, os novatos e a batalha em gos. Neste, a UHS seguindo a liderança do Shin para realizar os maiores feitos. Fazia tanto tempo que não víamos isso que eu até tinha esquecido que essa é a principal razão pela qual eles lutam. Este certamente não é um mangá centrado no sonho do protagonista. E isso retornou com uma disputa, para relembrar a rivalidade com o Ousen. Por um instante eu realmente temi que as tribos da montanha levassem todo o crédito. Por causa disso, quando vi o Shin no topo da torre, levantei da cadeira e comemorei pra valer. É só o começo e os créditos pela queda de Retsubi provavelmente não renderão nada demais. A cidade tem uma tremenda importância estratégica, como explicou a Ten, mas ela ainda é algo muito pequeno diante de Gyou e Kantan. Isso sem falar que em Retsubi não havia nenhuma cabeça valiosa, de modo que essa cidade só serviu como aquecimento para o povo da montanha e a UHS. (Eu só espero que a UHS não seja punida por colocar todo o exército de Qin dentro da armadilha do Riboku rs.)

Por falar em cabeças valiosas, é daí que vem as surpresas. Primeiro, o Kousonryuu não estava muito mais perto do que qualquer um esperava? Os próprios soldados de Zhao contavam com reforços em apenas dois dias, mas o KSR (é muito chato escrever o nome dele), estava a apenas meio dia de distância. Alguma bruxaria foi feita para eles se moverem tão rápido. O pior é que isso é o de menos. Há outro feitiço escondido em Retsubi e este é capaz de desmanchar todo o plano do Shouheikun. O que diabos pode ser?

Como foram tão rápidos?

A população ter fugido muito antecipadamente com todos seus bens já mostra que havia algo preparado. Não se trata de uma simples evacuação por segurança. O que mais eles levaram, ou o que deixaram? De cara eu pensei que tem uma bomba na cidade, mas nessa época nem pólvora existia ainda. Pensei também que poderiam ter inutilizado os depósitos de suprimentos, envenenado a água… mas isso seria notado por muitas pessoas. É algo relacionado exclusivamente a estratégia militar e, levando em conta o que o KSR fez e disse, não é o fato de Qin ter dificuldades para defender Retsubi por ainda não ter se acostumado com a cidade. O Ousen está seguindo o cronograma de forma impecável. Eles até estão adiantados. Então este também não seria o problema. Zhao, pelo visto, vai se concentrar em reforçar as cidades na região da capital, então eles esperam que Qin saia de Retsubi e vá atacar Gyou, mas a armadilha está na captura de Retsubi em tempo record… Ou a cidade tem algo capaz de atrasar todo o exército de Qin em um ou dois dias, ou não tenho ideia do que seja.

Que pena.

O legal é que agora é chegado o momento de usar a principal habilidade dos comandantes do exército conjunto: a de tomar a decisão mais acertada conforme pedir o momento. Eu lembrei também que o Shouheikun disse ao Ousen que ele poderia abrir mão do plano de ataque a Gyou imediatamente, se avaliasse que isso é o melhor a ser feito. Olhando por esse lado, talvez a questão maior não seja qual é a armadilha do Riboku, mas sim qual será o próximo movimento do Ousen. Se o ritmo dos acontecimentos continuar o mesmo, o próximo capítulo já trará as respostas. E eu suponho que o centro do 510 será a batalha intelectual e estratégica entre Riboku e Ousen, por isso não será um capítulo tão enérgico como os quatro últimos. Imagino também que o Ousen não sairá dessa armadilha ileso, mas por ora vamos apenas esperar pelo próximo domingo ouvindo o triste som dos planos do Shouheikun se espatifando.

Será que foi nesse momento que ele viu a armadilha? O segredo está neste canto?

Comments

comments

Publicado em Kingdom, Review por Ityuli. Marque Link Permanente.

Sobre Ityuli

Psicólogo, negro e cabeludo, mestrando em educação e saúde pela UNIFESP - Guarulhos. Me interesso pela sociedade e seu funcionamento. Por causa disso, estou sempre lendo os mangás com olhar crítico e enxergando nosso mundo atual nas histórias fantasiosas de mundos alternativos.