[Review] One Piece – A terra sagrada de Mary Geoise

Continuamos com os capítulos de introdução ao Reverie, e dessa vez com mais foco na terra sagrada de Mary Geoise

Esse capítulo foi um grande crossover em One Piece. Para mim, que adoro crossovers e releio One Piece com uma certa frequência (vale muito a pena, recomendo), esse capítulo foi um prato cheio! Como Oda tem consciência do quão grande sua obra é, esse capítulo dá um breve e explícito lembrete de quem alguns personagens são e, no decorrer da história, nos relembra suas personalidades.

Luffy, o mito que largou na friendzone todas as princesas com cara de Nami de One Piece.

Além dos personagens pró-Luffy, também fomos levemente apresentados aos possíveis problemáticos da saga (além do irmão de Sabo), como os mimados reis e seus filhos, Wapol, Tenryuubitos e o personagem misterioso da última página.

O que é que Kureha tá fazendo aí? Se você não lembra o que ocorreu com Wapol ou não viu porque via o anime, a história da ascensão dele é contada em capas, durante o arco de Skypiea, entre os capítulos 236 e 262.

O Tenryuubito mostrado nesse capítulo não foi um qualquer. Ele foi o mesmo que levou o soco mais épico de toda a história. O contexto no qual ele tinha sido inserido no Arquipélago Sabaody volta a ser apresentado aqui: o interesse bizarro dos “criadores do mundo” por escravos exóticos. O pior é que ele está olhando justamente para Shirahoshi, que representa o país que está mais inseguro nesse Reverie, devido ao seu histórico. Isso certamente dará um grande problema.

A escravidão também foi abordada novamente quando mostraram que ela serve de base para algumas regalias de Mariejoa Mary Geoise. Esse tema explodirá durante o Reverie e provavelmente serão os Revolucionários que trarão isso a tona. Será que é dos escravos que os Revolucionários esperam seu grande número em guerra? Se esse fosse o caso, não teria sido melhor Belo Betty ter ido junto? Ou essa guerra dos Revolucionários não será tão “guerra” assim? Além disso, como a Marinha lida com a escravidão? Gostaria muito de ver o quão Akainu e os demais almirantes se importam com essa “justiça”.

Esse soco… seria bom revê-lo na história.

Para finalizar, o capítulo volta a mostrar nosso querido Doffy, no pior lugar de Impel Down, trazendo de volta o tema que já era esperado para este arco: o tesouro escondido de Mary Geoise. O que todos mais esperavam que fosse era o Road Poneglyph “perdido”, mas descobrimos que era algo muito mais creepy: Um chapéu de palha!!!! WTF?!

Esse deve ser um segredo que nem mesmo a marinha deve estar ciente, senão estariam caçando Luffy mais ativamente. Quando o nome de Luffy sobressair nas discussões (com tantos países relacionados, será impossível isso não ocorrer), esse rei misterioso revelará seu temor com a ideia de um outro Chapéu de Palha. O que me pergunto é: essa pessoa é pequena, ou o antigo Mugiwara era um cara com um cabeção bem grande?

Será mesmo que o chapéu é o tesouro ou só estão no mesmo lugar? Se este for o tesouro, creio que seja uma chave para revelar os misterios do século perdido, como a representação do legado dos D., e que Doffy não sabia o que tinha escondido, pois deveria ter comentado algo sobre isso em Dressrosa. Uma coisa é certa: quando essa câmara secreta vier a tona, será impossível não destacar nosso protagonista. Sem falar que ele já será destacado quando o assunto fim dos Shichibukais vier a tona, como discutimos há 2 anos nessa teoria, e todos os ajudados por Luffy já estão se entrosando.

Galera, estamos procurando uma pessoa para fazer as discussões sobre One Piece para o nosso site. Se acha que consegue escrever como eu ou melhor e tem interesse/tempo, manda uma mensagem pelo Facebook (https://www.facebook.com/otakunoemaki/) ou por email (otakunoemaki@gmail.com). A propósito, desculpem-me pela falta de reviews ou respostas para os últimos capítulos ¯\_(ツ)_/¯.

Comments

comments