[Review] Tokyo Ghoul: Re – Já Chega!

A reflexão de um filho sobre o amor ao seu pai, mesmo esse não merecendo. Furuta e Kaneki começam sua luta.

O rei dos palhaços caiu! Sim! O Donato perdeu e só lhe restou a cabeça, para ter um último diálogo com Amon sobre tudo o que aconteceu.

O Rei dos palhaços perdeu sua coroa!

Em suas últimas palavras, Donato explica que ao ser um dos chefes dos Palhaços, mais especificamente o terceiro (mas então quem seria o primeiro?), tentou ser o mais maligno possível. No meio disso tudo, buscava um sentido para sua existência como ghoul, usando a religião e os seus pratos (as crianças do orfanato) como um refugio.

Os porquês!

Esse “evento apocalíptico”, como ele coloca, não é um ato tão significativo, pois ele crer que não importa quantos ghouls sejam transformados ou quantas vidas sejam perdidas, o homem sempre se reconstrói, suas vidas voltarão ao normal com o passar do tempo e se adaptarão a suas novas realidades, não importando o tamanho da ferida.

A colheita do apocalipse será farta?

Ele está contente que seu final tenha sido pelas mãos de um justiceiro e por alguém que o conhecia tão bem. Este é um momento de ambos se reconhecerem.

Amon assume que adorava quando Donato cuidava dele e sente saudades dessa época. Por mais que ele tente, não consegue, pois foram momentos queridos.

Sentimentos conflitantes!

Ele era uma criança carente e esse homem o criou como filho, por isso esses sentimentos conflituosos o machucam tanto, o homem que ele considera “Pai” é um vilão, um ghoul perverso e um serial killer. É bastante difícil admitir isso, tanto que Amon cai em lágrimas.

Amon em lágrimas!

Donato percebe qual o tamanho de sua importância na vida do Amon e como uma despedida final ele ri e chora até finalmente morrer, encerrando o conflito entre Pai e Filho.

Chorou no fim!

Duas grandes lutas chegaram ao fim e agora finalmente as coisas rumam para o reencontro entre Kaneki e Furuta.

Furuta começa o diálogo dizendo que não esperava que Kaneki estivesse vivo, dizendo que ele era nada mais do que uma oferenda ao Dragão (Rize) e que se ele está tentando impedir o rumo das coisas, ele não conseguirá.

O conflito mais esperado!

Mas Kaneki não está com muito tempo livre e nem disposições para conversas e ataca o membro do clã Washuu sem ao menos dizer um “Oi”. O Furuta surta e grita com o Kaneki para ganhar tempo, esperando que ele lhe pergunte suas dúvidas, porém a frieza tomou conta de nosso Rei de Um Olho.

Kaneki não está pra conversas fiadas!

Para o responsável por todo esse desastre, toda essa luta é uma grande encenação, uma peça de teatro com a qual ele gosta de brincar. Ele foge dos ataques do Kaneki, como se não tivesse muita saída e não fosse capaz de derrotar seu inimigo.

Um grande fanfarrão!

Tentou puxar assunto com o “Rei-Sama” (modo que o Furuta chama o Kaneki) com a intenção de que ele parasse de atacá-lo, mas Kaneki ataca novamente e Furuta revida com tudo, derrubando o protagonista.

Com um golpe só, derrubou Kaneki!

Ele ri e amedronta Kaneki, dizendo-lhe que bancar o herói dessa vez não vai funcionar e que por trás de todo esse teatro, ele é bem forte.

Furuta é um personagem muito inteligente e seus poderes são desconhecidos para Kaneki. O Rei vai ter que buscar o seu máximo para derrotá-lo, até utilizar os seus meios mais extremos (estalando os dedos). Mas ele retomará Tóquio?

Fight!

As histórias estão tomando seu rumo: Amon finalmente compreende seus sentimentos e se vinga do homem que trouxe amor e desgraça à sua vida, enquanto Kaneki precisa rumar para um caminho de confronto, pois é sua a tarefa capital de derrotar de vez o responsável por todos os seus problemas e pela guerra entre ghouls e humanos.

Mas lembrando que a Coruja voltou a se mexer, sem Donato, algo estranho vem por ai!

Comments

comments