[Review] One Piece – Rolo final

Parece que o final rolou! E, ao “som” de Soul Pocus, vemos apenas um pouquinho do que os Mugiwaras estão deixando para trás.

Capítulos como esse sempre me fazem achar One Piece maravilhoso. Se alguém me falasse antes deste 902 que o arco de totland acabaria, eu o chamaria de tolo. Até fizemos uma teoria sobre o que ainda estava por vir no arco. Mas, ao que parece, chegamos ao fim desse arco grande, importante, incrível e atípico.

Parece que Pedro morreu mesmo, e o capítulo fez bem em começar mostrando que ele não foi esquecido e seu sacrifício não foi em vão.

Infelizmente esse foi mais um capítulo com um musical cuja letra faz um pouco de sentido, mas não fica tão legal para nós que lemos traduções. Enquanto os eventos “finais” do arco ocorrem, a letra da música segue de forma relacionada aos acontecimentos, que nos fazem ir do riso ao choro mais de uma vez.

Foi legal ver que o romance se concretizou após ser desenvolvido de forma tão atrativa no arco, mas o final temporário foi bem triste para nossa doceira.
Tivemos cenas de lembranças recentes (pra mim, desnecessárias) que preencheram uma ou duas páginas, mas a parte contada com bordas como se estivéssemos olhando a própria memória ficou muito boa.

Um dos momentos mais tristes foi descobrir o que aconteceu entre Sanji e Purin no beco. Nem acredito que realmente aconteceu, mas SanPu is real! Nada mais de Nami, Viola, Zoro, ou qualquer outra pessoa que vocês costumavam shipar com Sanji. O cara precisou de mais de 800 capítulos para poder finalmente beijar uma mulher bonita (já que as feias ele despreza, por isso segue aí virjão… fica de lição para vocês seletivos). Mas, Oda sempre trollará Sanji, e apesar do beijo ter acontecido, ele só deve descobrir no fim de One Piece e olhe lá. Ao menos ela literalmente guardou a recordação. Imagina só Sanji vendo isso no futuro!

Ótimo diálogo! Muitos ainda dirão que Katakuri deixou Luffy ganhar, mas eu não consigo crer nisso. Só diria que ele não deu o melhor de si para que Luffy não escapasse.

Tivemos também os diálogos que mais gostei do capítulo: Katakuri e Bruleé. A mulher com cara de bruxa teve uma aparição constante em todo o arco, mesmo não sendo uma personagem tão cativante ou odiada, mas esse “final” dela foi muito bom. Por ela já ter todo o perfil padrão de uma bruxa velha (apesar de ser a 8° filha), não ligávamos tanto para a cicatriz dela. Mas Oda explorou isso de uma forma forte e tocante, fazendo com que, indiretamente, Katakuri tivesse sido o responsável pela cicatriz na irmãzinha, deixando uma cicatriz na vida do próprio boca de enguia pelicano.

E assim nasceu o “perfeito” Katakuri. Os sorrisos de Bruleé neste capítulo acabaram tornando-a um personagem mais querido.

Essas cicatrizes fizeram Katakuri: já era forte e temido, mas tornou-se decidido a não mostrar nenhuma fraqueza, e criando seu mito de “perfeição”. Quando vimos anteriormente, durante a luta contra Luffy, ele sendo perturbado por outras crianças, acreditávamos que esse era a razão dele esconder o rosto, só vaidade, mas descobrimos que seus motivos eram muito mais profundos.

O convívio normal desses dois alimenta ainda mais a ideia de que não dá pra ver essa família toda como vilã.
Olha essas caras fofas… Katakuri corado! *-*

E esse passado breve, mas impactante e interessante, foi mostrado em um dialogo que nos faz ver os irmãos por outro ângulo, e Katakuri ainda mais legal (e parecia impossível…). Sem falar que pudemos ver os pequenos filhotes de Linlin, contando com Bruleé ainda fofinha. Eu acredito que voltaremos a ver Katakuri no futuro como um aliado (nem que seja controlando a mãe), ou em mais um embate contra Luffy, este já mais forte, mostrando pra Katakuri sua evolução em uma luta onde a gomu vencerá o mochi mais facilmente.

Os Vinsmokes servem de escudo vivo para os Mugiwaras, sendo o que eles fazem com os clones. Oda sempre faz o mundo dar voltas. Qual será o verdadeiro preço que esses condenados pagarão?

Para os Vinsmokes e Piratas do Sol, a aposta em Luffy pode ter custado bem caro. A capitã, Big Mom, chegou, totalmente restaurada em uma batalha onde os aliados dos Mugiwaras já estavam em desvantagem. Mesmo se a velha gulosa não aparecesse, as lesmas marítimas voltaram (ou seja, nada de fuga pelo mar) e o bando da Mama já ganhava em número e poder também. A chegada de Linlin é digna de uma Yonkou, mas não representa uma vitória para ela.

A personagem é bem caricata, mas a forma como Oda a mostra quando quer torná-la impressionante nos faz senti-la de verdade como Yonkou.

Ela já chega com o “Life or Death”, mas não consigo crer que esteja puxando a alma dos inimigos. Os irmãos de Sanji, ao menos os sem emoções, não cairiam nisso. Jimbe já se mostrou imune ao Soul Pocus também. Mas e o resto? Judge poderia morrer numa boa, que galera ia curtir, mas os Piratas do Sol e Reiju estariam tão bravos ou frios assim? Não consigo crer que eles morrerão (apesar de que daria um up na história e passaríamos a temer a morte de personagens), então Linlin deve forçá-los a trabalhar pro bando em troca de suas vidas. Se de alguma forma os Pirata do Sol ou a Germa 66 conseguir escapar, isso vai diminuir bastante a moral de Linlin como Yonkou.

Sanji perderá mais o foco de agora por diante. Será que haverá um próximo? Todos apostam em Zoro, já que Wano tem um tema samurai. Só espero que Sanji não fique mais sem graça (não que ele esteja agora).

O capítulo termina com uma cara de “fim do arco de Sanji”. Ele volta a desempenhar o papel dele no bando, e todos estão felizes com seu retorno. A comparação com Zeff foi muito bem feita, mas nos faz pensar de novo no quão valeu a pena Linlin ser salva. Eu esperei esse tempo todo no arco, e continua acreditando que ainda acontecerá, o momento em que Sanji seria “recompensado” por ter sido tão gentil. Até o momento, foi só um tiro no pé, e o motivo da sobrevivência do bando de uma Yonkou e de seu país.

Os Mugiwaras fogem, mas fica claro que muitas pontas ainda serão amarradas, seja agora ou em um futuro pós Reverie ou Wano. Alguns pontos são:

  • Linlin não sabe o que aconteceu com a Mama Carmel (talvez nem nós saibamos);
  • O potencial do olho de Purin não foi revelado;
  • Perospero tá vivo;
  • Não tivemos boas demonstrações do potencial de Smoothie, Daifuku, Compote, Snack, Amande e outros filhos.

Eu creio que o bando de Big Mom ainda terá uma participação forte na história, e eu gostaria muito de ver os Mugiwaras, com a frota ou não, peitando e derrotando o bando de Linlin. Contudo, não acho que Oda vá punir os filhos de Linlin (menos Perospero) por terem cumprido o seu dever. Mesmo Oven, que foi chato demais, só estava cumprindo seu dever para com sua capitão e família. Mesmo sendo os antagonistas do arco, quase todos os Charlottes, não foram construídos como vilões (como a maioria do bando de Doffy ou Croco-boy). Só inimigos por interesses divergentes. Já estou curioso para saber qual o destino deles. Comenta aí se você espera ver logo as consequências pós fuga dos Mugiwaras, ou acha que só veremos isso após os tão esperados Reverie e Wano. Eu creio que no próximo capítulo já teremos Morgans e Stussy fofocando pra quem precisa ouvir, para tornar a história ainda mais empolgante!

Esse foi um dos arcos que mais gostei de toda a obra, principalmente por ter sido tão único. O estranho é que saímos com mais dúvidas do que costumamos ao sair de um arco.
Só pra não deixar passar, vocês conseguem sentir aquela coelhinha cada vez mais no bando certo? XD

Pode comentar se gostou ou não do review e como poderíamos melhorar. Caso queira ver mais reviews e teorias de One Piece e outros grandes títulos, curta nossa página: https://www.facebook.com/otakunoemaki/. Se tem interesse em fazer reviews sobre algum anime/mangá, entre em contato conosco!

O capítulo também deixa aquela perguntinha da música do Soul Pocus:
Alguém ganhou?
Linlin deve ficar com a tecnologia da Germa 66, enquanto certamente punirá seus traidores e revoltosos. Contudo, foi enfraquecida, será difamada e teve muito prejuízo no país.
Luffy fugiu com seu bando resgatando seu cozinheiro, que era seu objetivo, conseguiu a cópia do Road Poneglyph e não só ele quanto os outros Mugiwaras evoluíram. Contudo, precisaram deixar aliados para trás, sem contar com a morte de Pedro.
Diria que os Mugiwaras saíram na vantagem, diante do desafio, mas não que foram os vencedores desse arco. Mas “foi tudo um show de esplendor ♫ ♪”

Comments

comments