[Review] Tokyo Ghoul: Re – Em direção aos fatores de grupo

Está chegando a hora dos acertos de contas. Os personagens estão em direção ao conflito com seus inimigos pessoais e certas verdades serão reveladas.

Começa a luta do Yomo contra o Uta, o conflito entre velhos amigos que se tornaram inimigos pelo destino. Aliás, o Uta parece estar se divertindo muito, já o Yomo nem tanto.

Yomo vs Uta

Ataques e mais ataques, uma luta bem dinâmica de igual para igual, que aliás, foi bem desenhada, já que TG tem o padrão de deixar as lutas um pouco confusas. É um clima de luta bem parecido com Naruto x Sasuke, ou seja, uma amizade com um certo rancor, mas só parece. PS: Não lembrava que o nome do Yomo era Renji.

Luta entre amigos?

Do outro lado, Amon e Donato se enfrentam, a troca de olhares entre os dois é bem intensa. De um lado uma pessoa determinada a acabar com o responsável pelo seu sofrimento do passado e do outro um sádico.

Amon vs Donato

O Donato libera sua kagune cheia de cruzes, ou seja, as mesmas que controlam a Coruja. O Amon se defende combinando a Quinque e a kagune para enfrentar as diversas cruzes do Donato. Com essa combinação ele faz um disparo, o qual destrói o escudo de defesa do Donato e o atinge fatalmente no peito, consequentemente a Coruja perde sua força de batalha.

Donato morreu?

Porém, entretanto, todavia, ELE NÃO MORREU – aparentemente existe um membro dos Palhaços que consegue curar feridas extremas – e pior do que não ter morrido, ele se multiplicou. Isso é assustador! Como ele faz isso? Que poderes são esses? E o que aconteceu com o Amon? Meu Deus!

Não, ele se multiplicou

O Furuta reaparece no mangá, depois de um bom tempo, analisando o fruto do seu trabalho. Neste momento, chegando do fundo do túnel, ele percebe que o Kaneki está vivo. Pelo espanto dele, o Kaneki pode ser um grande problema para os seus planos. Mas só foram duas páginas sobre os dois, estou realmente ansiosa por esse conflito.

Furuta vs Kaneki

O mangá volta para a luta do Yomo contra o Uta, aparentemente o primeiro estando mais machucado que o segundo. A Itori aparece na luta para fazer um discurso sobre a índole do Yomo, de como ele mudou e que agora só quer proteger os humanos em um mundo que detesta ghouls, ou seja, utilizando argumentos para abalar psicologicamente o personagem.

Os fatos mostrados por ela até fazem sentindo e explica um pouco qual é o princípio dos Palhaços: um grupo cansado do desespero, do medo, de ter de se esconder dos humanos e de morrerem porque querem comer. Utilizando bem o princípio da palavra Palhaço, eles justificam: “Para não enlouquecermos, nós bancamos os idiotas”.

A origem dos Palhaços

No meio dessa explicação profunda o Uta perfura o corpo do Yomo, o ferindo gravemente. E o Uta deixa claro o quanto isso o diverte e que ele esperou por esse momento há muito tempo. Enquanto o Yomo tenta de certa forma trazer a razão ao então “amigo”, dizendo que para ele essa luta não é divertida e que não pretende morrer ou matá-lo.

Não existe amizade

Bom, parece que um dos lados dessa “amizade” não considera tanto assim. O Uta cai na gargalhada e mostra que para ele, de fato, essa amizade não existe. A melhor parte do mangá acontece, e ele se transforma em um monstro imenso com a forma completa de sua kakuja, afirmando que na verdade, desde sempre queria comer o Yomo.

A transformação do Uta

Neste momento, finalmente entendemos a tatuagem no pescoço do Uta “Não posso viver com você” já que o Yomo e ele vivem diferentes ideologias e vidas, além de terem outros propósitos para o destinos dos ghouls. “E não posso viver sem você”, porque ele tem um desejo desde que o conheceu, de devorá-lo por inteiro.

Relembrando a tatuagem do Uta

Que capítulo! O arco final de Tokyo Ghoul re não tem um capítulo que eu não saia de boca aberta. Os grandes mistérios estão sendo explicados e de certa forma, o quebra-cabeça desse mangá está se encaixando.

 

Comments

comments