[Review] Shingeki no Kyojin – Declaração de Guerra

O plano de Willy e Magath é revelado, Eren faz seu primeiro movimento e a Guerra entre Paradis e o resto do Mundo é anunciada.

Começamos o capítulo com um flashback de um encontro entre Willy e Magath. Eles demonstram já ter conhecimento da infiltração do inimigo em território marliano, e por isso Willy teve a ideia de fazer o festival como isca para atrair o inimigo.

Willy tramou o festival para ser a isca perfeita.

Willy demonstra a sua genialidade e sua consciência de se sacrificar por um bem maior. Ele orquestrou todo o festival de forma que todos os líderes militares de Marley estivessem reunidos em um só lugar, além de pessoas importantes de outras nações, que estariam ali para assistir tudo. Ainda assim o festival ainda foi realizado em território onde vive a população eldiana de Marley, o que faz com que a maior parte das mortes acabem sendo deles, causando um alvoroço internacional na proporção certa. Willy e o restante da família Tybur parecem estar fazendo de tudo para melhorar a imagem que o mundo tem dos Filhos de Ymir, e proteger sobretudo os que vivem no Continente, fora de Paradis.  Ele admite que os Tybur estão na posição que estão por um acordo feito com o rei Fritz, mas que agora é hora de retribuir. Esse é o motivo principal por ele ter contado toda a verdade sobre a história eldiana no festival, e por decidir servir de sacrifício. Ele quer que seu sacrifício sirva de estopim para que os eldianos do continente sejam vistos como vítimas de um inimigo maior, que no caso seria a população de Paradis.  Seu sacrifício é uma parte fundamental dessa ideia, pois senão o restante do mundo nunca iria simpatizar o suficiente com a população eldiana sacrificada no ataque.

Esse ataque também seria útil para Magath, já que com os outros lideres militares mortos, ele terá a oportunidade de criar uma nova força, da forma que achar mais conveniente e com pessoas de sua confiança.

Será uma boa oportunidade para Magath assumir a liderança do exército marliano.

O plano de Willy, em que ele mesmo serve como sacrifício, lembra muito a motivação das ideias compartilhadas por Erwin e Armin, de que você só pode mudar algo se estiver disposto a se sacrificar. Magath parece relutante a cumprir a ideia e o propósito de Willy, mas no fim aceita o seu plano.

No review do capítulo 99, chegamos a questionar se a versão de Willy realmente era real, já que ele estava tentando criar uma imagem mais bondosa dos Tybur, que também deviam ter se aproveitado da situação passada para entregar Eldia à Marley e garantir a salvação de sua família. No discurso do capítulo 100, Willy admite que eles fizeram isso para poderem viver livres de perseguição e respeitados pelo mundo. Ele admitir esse detalhe, de como sua família também errou no passado, me faz acreditar ainda mais que a versão que ele conta da Grande Guerra Titã é a que mais se aproxima da realidade de todas as versões que conhecemos até agora. Willy também não conseguia lidar com o fato de que sua família também errou ao longo da história, e esse é um dos motivos que o motivou a se oferecer como sacrifício. Isso de conhecer os erros de seus antepassados pode ser comparável até certo ponto com a família real, que também não conseguia mais viver com os erros de seus antecessores.

Willy e Magath selam seu acordo.

De volta a cena do festival, Magath é alertado sobre o sumiço dos Guerreiros e dos soldados responsáveis por transportá-los, e ele chega a conclusão de que o inimigo infiltrado realmente mordeu a isca. Pieck e Porco estão presos na armadilha, sem conseguir sair, pois se o tentarem correm o risco de acabarem esmagados por suas formas titãs. Pieck ainda pensa que o soldado que lhes guiou até ali era familiar, outra indicação de que ele provavelmente é alguém de Paradis, possivelmente Connie, como debatemos no review anterior.

Pieck já viu “aquele soldado” em algum lugar.

Willy segue com o seu discurso, contando mais sobre a criação da comunidade na ilha de Paradis. Ele confirma que as três muralhas foram nomeadas em homenagem as três filhas de Ymir, como vários fãs já suspeitavam desde algumas cenas do encerramento da segunda temporada, mais especificamente a cena em que três garotas choram sob o cadáver de uma pessoa.

Imagem do encerramento da 2º temporada. Esta imagem fez muita gente teorizar a possibilidade de que estas três crianças seriam as Filhas de Ymir.

Willy explica que as Muralhas são formadas por titãs colossais, que se forem despertados irão destruir todo o mundo, já que atualmente não existe uma arma capaz de pará-los.  Ele também explica que somente os herdeiros do sangue real podem usar o poder para controlá-los, mas que foi relatado por Reiner que Eren conseguiu controlar os titãs mesmo sem nenhuma relação comprovada com o sangue real. Nós já sabemos que ele só conseguiu ativar os poderes por conta do contato com a Dina em forma titã, mas para eles esse fato continua um mistério. Essa informação pode ser ainda mais agradável para o Eren, já que as pessoas podem pensar que ele tem controle absoluto sobre isso e, portanto, poderia despertar os titãs quando lhe fosse conveniente. De qualquer forma, essa informação faz as outras pessoas temerem Eren ainda mais, e o faz parecer o vilão de toda a trama.

Os colossais podem destruir todo o mundo.

Enquanto Willy continua seu relato, Eren, Reiner e Falco continuam a ouvir tudo do porão.  Eren regenera a sua perna, e o jovem Falco percebe o quanto foi usado. Ele parece estar se sentindo traído, e confronta Eren. Ele se pergunta como Eren pode ter feito isso com ele depois de tê-lo encorajado tanto. Essa fala dele também pode ser referência a fala do Eren depois de descobrir que o Reiner tinha poderes titãs, onde ele falava que o Reiner sempre o estimulou e que era um exemplo para todos. Pela expressão do Reiner, ele parece se lembrar dessa situação. Eren ainda agradece a Falco pela ajuda com as cartas, que sem ele seu plano não teria sido possível. Falco deve se sentir ainda mais enganado, e duvido que ele vá escutar o que Eren tem a dizer em um futuro próximo.

A situação presente entre Falco e Eren remete Reiner ao seu passado.

Reiner percebe cada vez mais o quanto a situação é alarmante, e para completar, a fala de Eren sobre os destinatários das cartas, isto é, que eram endereçadas para seus amigos, o faz perceber que Eren não está sozinho no Continente.

Falco percebe que a arma que Marley tanto deseja está bem ali em sua frente. O ataque às Muralhas de Paradis foi feito com o intuito de conseguir a Coordenada, e o seu novo portador basicamente já está em território marliano, longe das Muralhas e dos colossais, e seria possível capturá-lo.  Apesar disso, toda a situação também foi tramada de forma que ninguém realmente fosse uma ameaça direta para Eren, com os outros titãs capturados e o Reiner na situação em que está, já que para ele deter Eren acabaria causando um alvoroço e destruição, além da morte de vários inocentes.

Eren fala para eles que Willy está certo, que na visão deles ele é o novo vilão, da mesma forma que Reiner e os outros pareceram vilões para ele no dia em que derrubaram a Muralha. Ele confronta Reiner sobre o porquê de tantas pessoas inocentes terem sido mortas naquele dia, inclusive sua mãe. Reiner explica que essa era a missão deles, que eles tinham que conseguir o Poder do Titã Original para dessa forma poder salvar o mundo. Eren ironiza essa última frase, dizendo que se foi para salvar o mundo, então eles não tiveram escolha. Creio que Eren também queira usar dessa mesma justificativa para explicar seus atos futuros.

Eren confirma que na visão de Marley ele é o novo grande vilão.

Reiner lembra a Eren que ele sempre afirmava que ia matá-los da forma mais cruel possível, e questiona se esse é o motivo de Eren estar ali. Eren então pede que ele esqueça que já disse aquilo, e explica que antigamente ele imaginava que todos que estavam do outro lado do Oceano eram seus inimigos, mas que essa visão mudou depois do tempo em que ficou infiltrado. Convivendo com as pessoas do Continente, Eren percebeu que elas são iguais às de Paradis. Existem pessoas irritantes, mas também existem pessoas com um bom coração. Sua próxima fala ainda demostra um pouco de compaixão à história de Reiner. Ele sabe que os eldianos que residem no território de Marley são levados a crer que todos os habitantes da ilha de Paradis são demônios, e que Reiner não teve escolha senão seguir e acreditar nessa versão dos fatos. Mesmo assim, Reiner não consegue aceitar o perdão de Eren, pois a culpa que ele sente por tudo o que aconteceu é grande demais para isso. Ele explica a Eren que depois de Marcel ter sido devorado, Annie e Berthold iam abortar a missão, e não o fizeram por que Reiner os convenceu a mudar de ideia, não por motivos nobres, mas porque ele queria ser reconhecido como um herói adorado por todos. Ele diz que a mãe de Eren ter sido devorada foi culpa dele, e pede para Eren matá-lo.

Reiner não consegue lidar com o peso da culpa que sente.

Mesmo que Reiner ainda se sinta tão culpado pelo que aconteceu, e que seus motivos por continuar com o plano tenham sido um pouco egoístas, ele ainda era uma criança que não sabia de nada quando esses fatos aconteceram, o que não invalida o que Eren havia acabado de falar. Ainda assim, Reiner não consegue mais viver carregando o peso do que aconteceu, e parece só aguardar o momento em que alguém finalmente lhe dará paz, acabando com sua existência, ou seja, matando-o.

Na outra cena, Willy continua o seu discurso, falando que essa ameaça ao mundo é tudo culpa dos eldianos. Ele fala que odeia o seu sangue e se pudesse escolheria nunca ter nascido, e que já desejou a extinção de todos os filhos de Ymir. Mesmo assim, ele não quer morrer, porque ele nasceu nesse mundo. Essa frase já é uma das corriqueiras do mangá, sendo usada principalmente pela Carla, falando que seu filho era especial o suficiente só por ter nascido nesse mundo. Ela também já chegou a ser usada pelo Eren no final da Batalha de Trost, quando Armin o acorda e ele levanta a pedra para fechar o buraco na muralha. Ao escutar Willy falando essa frase, a expressão no rosto de Eren muda. Willy ainda fala que todos ali, mesmo de diferentes nações, podem emprestar sua força e lutar juntos, para garantir um futuro unido, isto é, todos contra Eren e Paradis.

Uma frase que já apareceu diversas vezes ao longo do mangá.

Ainda não é totalmente certo o que Eren estava pensando ao ouvir aquilo, se ele se conforma em ouvir que seu papel é ser o vilão de tudo pela união dos povos, ou se aquilo não passa de mais um obstáculo com o qual ele vai ter que lidar.

Eren pede para Reiner levantar-se, e fala que ele estava certo, que eles realmente são iguais. Ao fundo Willy ainda afirma que as nações do mundo podem unir seus exércitos para vencer o inimigo em comum, desejando a paz mundial.

Eren fala que acha que eles nasceram assim, sempre avançando em frente, mesmo sem um objetivo nítido a frente, questionando os acontecimentos passados, até que todos os seus inimigos sejam destruídos. Uma curiosidade é que o nome do titã de Eren, que normalmente é traduzido como Titã de Ataque, também pode ser traduzido como Titã de Avanço, um titã que sempre segue em frente, não desistindo.

Nesse momento, Reiner percebe que Eren vai se transformar, e vira para Falco, certamente pensando em como vai protegê-lo. A forma titã de Eren acaba destruindo o prédio aonde vivem vários cidadãos eldianos comuns, pessoas inocentes que não estão relacionadas com a guerra, e os destroços voam já atingindo parte da plateia que assistia o festival. Por fim, logo após Willy declarar guerra a Paradis, Eren o parte em dois perante os olhos surpresos e espantados dos representantes de todo o mundo, e assim temos o fim do capítulo.

Como será que Falco e Reiner irão conseguir escapar?

Todo o discurso de Eren para Reiner parece ser contraditório as suas ações. De certa forma, penso que ele só estava tentando justificar o que ele pretendia fazer, que eles são pessoas iguais, então ele também teria que fazer o que o Reiner fez, que incluem matar inocentes, para conseguir salvar o seu “mundo”. Reiner se mostra consumido pela culpa dessa ideia, enquanto que Eren ainda não demonstra estar sendo afetado por isso. Também devemos levar em consideração que a maior parte das ações de Reiner foram feitas ainda criança, quando ele não entendia nada sobre a realidade do mundo, já Eren tem bastante conhecimento da situação atual. Ainda não vimos o que ele realmente quer alcançar com esse plano, e se tinha outros meios para alcançar seus objetivos, então vamos ficar no aguardo antes de fazer uma análise completa sobre Eren. De qualquer maneira, como sempre, os mais afetados pela guerra são as pessoas comuns, que acabam presas no meio do conflito, assim como Eren e sua mãe já foram vítimas um dia.

Eren destrói um prédio com inocentes e parte Willy em dois – a guerra é declarada.

Outra coisa interessante dessa sequência do festival é que Zeke aparece sozinho em um painel, dando a entender que ele estava assistindo tudo à distância e que já sabia do que estava para acontecer. Os mistérios sobre Zeke continuam!

Zeke observa tudo a distância.

O capítulo de número 100 realmente marcou a trama do mangá com a tão esperada declaração de guerra entre Marley e Paradis. Vamos esperar para ver se mais alguém da Ilha irá dar as caras nos próximos capítulos, até mesmo para descobrir como estão as coisas por lá!


Gostaram do review? Alguma crítica ou sugestão? Pode comentar ou nos mandar por mensagem! Quer acompanhar nossos reviews e teorias? Curta nossa página: https://www.facebook.com/otakunoemaki/.

 

Comments

comments