[Review] Berserk – Fragmentos de Memória

Schierke e Farnese continuam sua Jornada em busca das memórias perdidas de Caska, dirigindo-se cada vez mais para as profundezas de sua alma fragmentada.

As memórias perdidas de Caska continuam se mostrando na forma de imagens particulares, cada qual representando uma lembrança importante do passado dela. Cada imagem, simbolizada por um objeto específico, quando ativada, se abre para um evento decisivo da vida passada dela. Vemos uma espada e um elmo representando o momento em que Caska conheceu Guts pela primeira vez, expressando assim a agressividade daquele momento; vemos o estandarte do Bando do Falcão simbolizando uma importante vitória no campo de batalha, evidenciando que Caska foi uma formidável e valente guerreira; vemos uma espada envolta num manto representando o momento que Caska conheceu Griffith pela primeira vez, exprimindo o primeiro sentimento de gratidão, devoção e admiração dela por Griffith.

O subconsciente de Caska é um lugar assustador!

Mas a busca não está sendo simples e nem fácil, tampouco está sendo rápida. Schierke e Farnese estão tendo que lutar contra criaturas sinistras, cujo propósito é impedir que elas coletem e reúnam as lembranças da mente fragmentada de Caska. São criaturas macabras de formas diversas e estranhas, plantadas no inconsciente de Caska para reprimir e anular qualquer possibilidade de cura e ajuda para ela. Mas se essas sinistras criaturas são produtos do inconsciente de Caska, por que a atacariam? Será que esta é uma ação inconsciente de Caska devido ao trauma do Sacrifício? Ou será se é um efeito do Estigma a operar de maneira a impedir a cura de Caska? Será se essas estranhas criaturas personificam a monstruosidade dos Apóstolos ou a perversidade de Femto? Pensemos nisso para os próximos capítulos. Mas a magia poderosa de Schierke e Farnese os está repelindo e destruindo à medida que prosseguem em sua jornada. É interessante de se notar que a magia de Schierke fica mais poderosa no mundo dos sonhos, e isto é uma prova de que Schierke cada vez mais se torna uma usuária poderosa de magia, ou seja, uma bruxa poderosa. Falando nisso, me parece que a magia fica mais poderosa nos sonhos, pois os Elementais invocados por Schierke parecem mais potentes no mundo dos sonhos do que no mundo real. É provável que isso se deva ao fato de o mundo dos sonhos ter uma ligação maior e mais intensa com os mundos espiritual e astral do que com o mundo real. Independente dos detalhes, esperamos e torcemos para que a magia mental de Schierke dê cabo dessas esquisitas criaturas para que ela prossiga em sua jornada rumo a recuperação da alma de Caska.

Esses golens parecem tão fofinhos! Queria ter um desses pra apertar!

Mais adiante nos deparamos com um imenso e luxuoso lustre suspenso, revelando uma lembrança gloriosa e amarga de Caska. Gloriosa porque simboliza o momento em que o Bando do Falcão é homenageado e aclamado nos salões do palácio real de Midland como heróis do reino, e amarga porque simboliza o instante que Caska sofreu ao pensar que Griffith tinha sido envenenado. As duas memórias seguintes representam dois acontecimentos importantíssimos na vida pregressa de Caska. Vemos uma espada quebrada simbolizando a tristeza dela por Guts ter abandonado o Bando do Falcão, e , do nada, vemos uma cascata caindo das alturas vazias, representando o momento em que ela perdeu a virgindade e desabrochou como mulher.

Atenção, senhores pais e senhoras mães! Tirem as crianças da sala!

É interessante notar nesta parte um certo desapontamento de Farnese, pois ela vê que Guts e Caska tiveram uma forte ligação amorosa no passado e se dá conta que esse intenso laço afetivo ainda continua. Farnese finalmente entende o porquê de Guts se importar tanto com Caska. Esperamos que Farnese se conforme e não apronte nada para impedir a cura de Caska. Tomara que Farnese esqueça o Guts de uma vez e dê uma chance ao amável Roderick, pois ele sim a ama de verdade. Nessa parte, fiquei curioso com a reação de Schierke ao perceber os sentimentos de Farnese, pois não sei se ela ficou desapontada igual Farnese ou se ficou com pena de Farnese por ela gostar ou querer alguém que não a quer e nem gosta dela. Ciúmes e decepções à parte, a jornada continua. Mais e mais fragmentos de memória aparecem. Vemos lembranças dos bons e velhos tempos do Bando do Falcão; do encontro do Bando com Zodd; da tentativa de assassinato de Griffith; das briguinhas entre Guts e Caska, e Griffith cortejando a princesa Charlotte. Cada vez mais o corpo quebrado e incompleto da boneca é restaurado e cada vez mais elas ficam próximas de alcançar a cura mental de Caska.

Só mais algumas memórias e teremos a capitã Caska de volta!

Apesar de estarem extremamente esgotadas, e ainda com todos os riscos, infortúnios e esquisitices, Schierke e Farnese continuam a jornada, e as pétalas de Danan continuam indicando o caminho. Falando em caminho, as pétalas de Danan estão conduzindo-as na direção daquele cume infernal, onde parece ser o ponto final da jornada. Certamente, deverá ser lá que estão as memórias do Sacrifício. Aliás, aquele monte infernal apontando em direção ao sol negro lembra bastante a Mão de Deus do Eclipse. Até imagino as coisas macabras e sinistras que Schierke e Farnese encontrarão por lá. Só espero que elas sejam fortes o suficiente para suportar o que verão, e espero também que Danan apareça nesse sonho para dá uma ajuda caso as coisas se compliquem para o lado da nossa bruxinha predileta.

Finalmente,  elas se encaminham para o epicentro de todo o mal!

O final desse capítulo foi um tanto surpreendente e bastante intrigante, pois a minúscula personalidade que representa Caska se comunicou de forma inteligível. Isso prova que a recuperação das memórias fragmentadas de Caska está surtindo o efeito esperado, isto é, aos poucos a mente de Caska está sendo curada. A minúscula pessoinha de Caska disse com todas as letras que queria ver alguém, e esse alguém só poderá ser o Guts! Imagino que seja Guts, já que Caska o amava (e ainda o ama) de verdade. Mesmo quando Guts deixou o Bando, Caska pensava nele constantemente, e desejava tê-lo ao seu lado outra vez, e a ausência de Guts a incomodava e a fragilizava naquela época. Por isso, penso que ela, inconscientemente levada por aquelas memórias, deseja vê-lo. Além do mais, a reação de Shierke e Farnese sugere que elas se referiram ao Guts, já que os sentimentos de Caska então conectados aos pensamentos e percepções de Schierke e Farnese, pois elas estão dentro dos sonhos e do subconsciente dela. Mas porque ela desejaria ver Guts num momento desses? A outra resposta que me vem é que como ela está se aproximando do lugar de seu inconsciente onde ficam as memórias do Eclipse, é natural que ela fique apavorada, então ela deve ter desejado ver Guts como uma maneira de recorrer a segurança e proteção dele.


Portanto, esse capítulo continua demonstrando que a cura para a mente de Caska consiste apenas em se encontrar e recuperar as principais memórias dela e devolvê-las todas para ela. Da mesma forma, fica também demonstrado mais uma vez que aquela boneca incompleta e quebrada representa a mente fragmentada de Caska que precisa ser restaurada. Assim, cada vez mais que a jornada adentrar mais e mais no subconsciente de Caska, Schierke e Farnese irão se deparar com as memórias perdidas que marcaram a vida de Caska. Sabemos onde isso vai parar! Certamente irá terminar com as sinistras memórias do Sacrifício.


Gostaram do review? Alguma crítica ou sugestão? Pode comentar ou nos mandar por mensagem! Quer acompanhar nossos reviews e teorias? Curta nossa página: https://www.facebook.com/otakunoemaki/.

Comments

comments